Geografia

Região Norte do Brasil: Estados, Mapa, Clima, Cultura, Vegetação

Veja as principais características da região norte do Brasil.

A região norte do Brasil é a região que abriga a maior parte da Amazônia, o “pulmão do mundo”, também é a região que possui a maior extensão territorial (45%) dentre todas as regiões do Brasil. O clima a região norte é bastante quente e úmido, com muita área verde, cercado pelas águas dos rios e florestas.

A população da região norte conta com um pouco mais de 17 milhões de habitantes e possui uma gastronomia exótica herdada da cultura indígena.

A região norte também é conhecida por seu histórico da época do ciclo da borracha, pela exuberância vista no Teatro Amazonas, pelo fenômeno natural do Encontro das Águas e também por ter um dos maiores polos industriais do Brasil: a Zona Franca de Manaus.

Assim, muito se têm a destacar sobre essa região que encanta os olhos por proporcionar belas paisagens e que ao mesmo tempo carece de muita infraestrutura, educação, saúde e um trabalho socialmente relevante para a comunidade, principalmente, as ribeirinhas.

Veremos agora um resumo completo de geografia sobre a região norte. Vamos estudar os seguintes assuntos:

  • clima e temperatura,
  • população,
  • densidade demográfica,
  • relevo,
  • vegetação,
  • hidrografia,
  • etnias e cultura,
  • economia, entre outros aspectos importantes.

Área Territorial ( segundo IBGE)

  • 3.853.676,948 km²

Quais são os estados da região norte

São sete estados. São eles:

  • Amazonas
  • Pará
  • Roraima
  • Rondônia
  • Amapá
  • Acre
  • Tocantins

Clima da Região Norte

  • Tipo equatorial: quente, úmido.
  • Temperaturas elevadas o ano todo: média de 24°C a 26°C
  • Estações anuais: verão (calor intenso) e inverno (apenas chuvas)
  • Período de chuvas: dezembro a maio
  • Período seco: junho a novembro
  • As chuvas provocam mais de 2.000 mm de precipitações anuais.

População (IBGE 2014) e Densidade Demográfica

  • 17.231.027 habitantes.
  • É a segunda menos populosa do Brasil
  • Densidade demográfica: 4,77% hab./km² (menor entre as regiões do país)
  • Município mais populoso da região norte (52,5%): Manaus, capital do Amazonas (2.057.711 milhões de pessoas – IBGE 2014).

População por Estado (maior para o menor)

Município População (2014) Porc. (%) pop.tot
1 Pará 8.073.924 46,9
2 Amazonas 3.873.743 22,5
3 Rondônia 1.748.531 10,1
4 Tocantins 1.496.880 8,6
5 Acre 790.101 4,6
6 Amapá 750.912 4,4
7 Roraima 496.936 2,9

Relevo da Região Norte do Brasil

É constituída de três enormes unidades geomorfológicas:

1 – Planícies e Terras Baixas Amazônicas

  • Planície Amazônica é a principal fonte de estudo na geografia (vista a partir do Rio Amazonas).
  • Divide-se em três grandes compartimentos:
  1. igapós (área mais baixa com fortes inundações pelas cheias do Rio Amazonas);
  2. tesos ou terraços fluviais (conhecidas como várzeas que são inundadas pelas cheias mais fortes tendo altitudes inferiores a 30 metros);
  3. terra firme (altitude de até 350 metros estando assim livre de inundações).

2 – Planalto das Guianas

  • Constituído por terras cristalinas encontrando-se ao norte da Planície Amazônica;
  • Compreende uma parte da região serrana onde se situa o Pico da Neblina (2.933 m) e o Pico 31 de Março (2.972 m).

3 – Planalto Central

  • Situa-se ao sul da região sendo a maior parte constituída pelos estados de Rondônia e Tocantins fazendo parte também ao sul do Amazonas e o estado do Pará;
  • Constituída por sedimentares antigos e por terras cristalinas.

Vegetação da Região Norte

  • Maior ecossistema do mundo: Amazônia.
  • Apresenta uma pequena parte de faixa de mangue situado no litoral, alguns pontos de matas galerias e pontos de cerrado.
  • A maior ilha de água fluvial-marinha do mundo é a Ilha de Marajó, localizada no estado do Pará.
  • A Amazônia possui a flora mais variada do mundo e fauna riquíssima em peixes, pássaros e insetos.
  • Mais de 90% da região norte é ocupada pela Floresta Amazônica, Campos do Hileia, Ilha de Marajó, Rio Amazonas.

Hidrografia

  • Possui a maior bacia hidrográfica do mundo: Bacia Amazônica. Ela é formada pelo Rio Amazonas e os muitos afluentes;
  • Afluente Rio Uatumã abriga a Usina Hidrelétrica de Balbina
  • Afluente Rio Jamari abriga a Usina Hidrelétrica de Samuel
  • A pororoca, fenômeno natural de onda contínua de até 5m de altura na subida da maré, localiza-se na foz do Rio Amazonas e costuma receber muitos surfistas.

Etnias e Cultura

  • Formada por mestiços, indígenas e portugueses (descendência);
  • Cor/raça (% IBGE 2010): Parda (67,2); branca (23,2), negro (6,5), indígena (1,9) e amarela (1,1);
  • Predomina o folclore com o evento anual conhecido como Festival Folclórico de Parintins e danças típicas. Também há o Círio de Nazaré, em Belém.
  • Dois principais teatros da região que retrata o período áureo da borracha, que antigamente eram as cidades mais ricos do Brasil:
  1. Teatro Amazonas, em Manaus, Amazonas
  2. Theatro da Paz, em Belém, Pará.

Economia

  • Concentração maior nas atividades industriais (Zona Franca de Manaus); extrativismo mineral e vegetal, em especial o petróleo e o gás natural; pecuária e agricultura; atividades turísticas, principalmente, o ecoturismo.
  • PIB apresenta cerca de 5,3% do PIB nacional (IBGE 2010)
  • Crescimento maior em plantações de soja, arroz, guaraná, mandioca, cupuaçu, maracujá, cacau, coco.
  • A atividade de pecuária é explorada apenas na região de Roraima, a Ilha de Marajó, a qual possui o maior rebanho de búfalo do país.
  • A madeira é o mais importante extrativismo tendo os estados de maior produção: Rondônia, Amazonas e Pará.
  • Há extração de minerais metálicos como o ouro, alumínio, diamante, estanho, ferro, manganês, níquel, petróleo e gás natural.
  • A Zona Franca de Manaus abriga cerca de 500 indústrias, principalmente, as de setor em eletrônicas.

Leitura sugerida

Referências bibliográficas

SILVA, Renilson Rodrigues da; BACHA, Carlos José Caetano. Acessibilidade e aglomerações na Região Norte do Brasil sob o enfoque da Nova Geografia Econômica. Nova Economia, v. 24, n. 1, p. 169-190, 2014. – ISSN 0103-6351

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar