Biologia

Membrana Plasmática – Resumo (estrutura e funções)

A membrana plasmática é a estrutura celular responsável pelo controle do que entra e sai de uma célula. É como se fosse a pele das células, separando o meio interno do meio externo. Presente em todas as células, a membrana plasmática é composta principalmente de lipídeos, proteínas e glicoproteínas.

Hoje nós vamos falar sobre a membrana plasmática, a região mais externa da célula. Veremos a sua estrutura e as suas funções. Veja, agora, o resumo com tudo o que você precisa saber sobre esse assunto.

A Membrana Plasmática

A membrana plasmática é uma camada que envolve a célula, sendo, portanto, a região mais externa da célula. Ela possui inúmeras funções, sendo que todas elas envolvem um tipo de comunicação entre o meio extracelular e o intracelular (comunicação entre o exterior e o interior da célula) e também comunicação entre células.

"Mosaico Fluido"
Membrana Plasmática

“Mosaico Fluido”

A membrana plasmática é constituída principalmente por lipídios e proteínas, tendo, portanto, constituição lipoproteica.

Essa constituição é chamada de “mosaico fluido”: os lipídios se organizam em uma malha contínua e dupla e as proteínas (integrais e periféricas), com diversas funções, (como adesão, reconhecimento, transporte e ancoragem) se inserem nela. A consistência da camada de lipídios é fluida e as proteínas se movimentam (isso explica o “mosaico fluido”).

Transporte Ativo e Passivo

A membrana plasmática é uma membrana seletivamente permeável, ou seja: a membrana plasmática seleciona as substâncias que podem entrar na célula. Essa seleção ocorre através de dois mecanismos: o transporte passivo e o transporte ativo.

Porém, para entender esse assunto, você precisa entender o que é soluto, solvente e também precisa entender os tipos de soluções. Aí vai um rápido resumo.

Soluto, Solvente e tipos de Soluções

O soluto é a substância que é dissolvida e o solvente é o agente que o dissolve. Quando misturamos uma colher de sal num copo de água, por exemplo, o sal se dissolve na água.

Portanto, nesse caso, a água é o solvente e o sal é o soluto, já que o sal é dissolvido na água (o solvente dissolve o soluto, ou seja: a água dissolve o sal).

Quando misturamos o soluto com o solvente nós temos uma solução. Sendo assim, podem existir três tipos de soluções

  • Soluções isotônicas: têm as mesmas concentrações (“iso”) de substâncias e mesma pressão osmótica;
  • Soluções hipertônicas: têm maior concentração de soluto (“hiper”) e maior pressão osmótica
  • Soluções hipotônicas, que têm menor concentração de soluto (“hipo”) e menor pressão osmótica.

Observação: quando duas soluções estão em contato, a tendência (o “gradiente”) faz com que as concentrações entrem em equilíbrio.

Então, a tendência faz com que o soluto passe da solução mais concentrada para a menos concentrada, fazendo com que as duas soluções encontrem um equilíbrio (passem a ter a mesma concentração).

Com isso explicado, podemos avançar com a matéria.

Transporte passivo

O transporte passivo não envolve gasto de energia, e ocorre a favor do gradiente. É a passagem natural de substâncias que ocorre para igualar as concentrações de soluto dos dois lados da membrana.

A célula é composta quase que inteiramente por água e, quando pensamos nela, devemos imaginar que ela estará presente em todos os mecanismos celulares.

A água passa livremente pela membrana, através do transporte passivo, e esse mecanismo chama-se osmose. A pressão osmótica é a pressão exercida quando a água necessita atravessar a membrana.

Além da osmose, há também o mecanismo de difusão. Ele consiste na passagem de substâncias de maior concentração para outra face com menor concentração, sem gasto de energia também, e a favor de um gradiente.

No transporte passivo, existe a difusão simples (ou passiva), que é um processo lento por ocorrer unicamente a favor de um gradiente.

Transporte ativo

Neste tipo de transporte há gasto de energia, e a passagem de substâncias pode ocorrer de um local menos concentrado para um mais local mais concentrado, ou seja, contra um gradiente.

Há também o auxílio de enzimas ou moléculas transportadoras que auxiliam a passagem dos solutos. É o caso da difusão facilitada, processo semelhante à difusão passiva, mas que pode ser auxiliado por outras moléculas.

Outro tipo de transporte ativo e que utiliza a energia de gradiente de íons (Na+, K+ e H+) é a Bomba Sódio-Potássio. Neste mecanismo, há a saída de três íons sódio da membrana interna para a externa, e a entrada de dois íons potássio para a membrana interna.

Ele ocorre para restabelecer o potencial de repouso da célula, logo que ocorre um potencial de ação, ou seja, logo após alguma substância ter sido transportada, como algum açúcar.

Para resumir:

Transporte Ativo: há gasto de energia e pode ocorrer por difusão facilitada ou pela Bomba Sódio-Potássio.

Transporte Passivo: não há gasto de energia e pode ocorrer por osmose (a água passa pela membrana) ou por difusão simples (as substâncias passam pelas membrana, se deslocando do lado mais concentrado para o lado menos concentrado).

Endocitose e exocitose

Outros dois processos de transporte de substâncias são a endocitose e a exocitose, responsáveis pela passagem de moléculas maiores.

A endocitose consiste no transporte através de vesículas formadas por invaginações da membrana plasmática para dentro da célula. Existem três tipos de endocitose:

Pinocitose: envolve vesículas menores que transportam substâncias solúveis

Fagocitose: envolve também pequenas vesículas, mas transporta substâncias que não foram dissolvidas (os glóbulos brancos são células que utilizam a fagocitose para englobar agentes estranhos, como bactérias)

Endocitose mediada, cujas vesículas foram formadas a partir de uma invaginação desencadeada por uma substância específica que se ligou a um receptor de membrana.

Esquema representando os processos da endocitose
Esquema representando os processos da endocitose

 

A exocitose se opõe à endocitose: é o processo que permite a saída de substâncias da célula. Também são formada vesículas que englobam as moléculas a serem excretadas ou secretadas.

Ocorre primeiro a migração da vesícula contendo a substância, logo ocorre a fusão desta com a membrana plasmática e, em seguida, a substância é expelida para o meio extracelular.

Esquema ilustrando a exocitose
Esquema ilustrando a exocitose

Você aprendeu neste resumo sobre Membrana Plasmática

– O que é membrana plasmática

– Como a membrana plasmática é composta (mosaico fluido)

– Soluto, solvente e tipos de soluções

– Transporte ativo e passivo

– Endocitose e exocitose

Assunto: Membrana Plasmática

Tópicos: estrutura, mosaico fluido, transporte ativo e passivo, endocitose e exocitose.

Leitura sugerida

Referências bibliográficas

OENNING, Vanessa; DE OLIVEIRA, Juliana Moreira Prudente. Dinâmicas em sala de aula: envolvendo os alunos no processo de ensino, exemplo com os mecanismos de transporte da membrana plasmática. Revista de Ensino de Bioquímica, v. 9, n. 1, p. 18-29, 2011. disponível em: https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/51810366/45-92-1-SM.pdf?1487187037=&response-content-disposition=inline%3B+filename%3DDinamicas_Em_Sala_De_Aula_Envolvendo_Os.pdf&Expires=1591216513&Signature=KJ0BwSkWYo20DM2Ojsi0bE7XFyXqGwe9oDFhwBs074~B4VSl-fSmuoSbdHg4DXmaicoz767cuMStTbeic5qfSQ0T78sPbEmU5Kl5uXOTFkVIEEIxtsJrGgafs3pXyoDSCWE4HFQ0DJwh~mOjqnJgYj-v4JIEARtn98AFK4PYk82j4QdG06x8yXZFEDC6c~NVxkBq4o0GoFJxgjCOlsiqWhAd1W-331RaGA8yjZxdaJTw6rEZbd2ZlNkzN4Vd4ueZSlMY~0WBE6IxFUqMNS0dIYFP9j6eTxGWP5RkD4gCp-kDS2~Ruw2kqxBHmtr7ehzKHYRJd-0XpQTNfYzmBE0WDA__&Key-Pair-Id=APKAJLOHF5GGSLRBV4ZA

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar